POR DANIELA PRADO

De uns tempos para cá, tem sido cada vez mais crescente o número de adeptos do veganismo, filosofia de vida que não se limita apenas à mesa e não ingestão de alimentos de origem animal (carne, leite e derivados, ovos e até mesmo mel), mas atinge outros segmentos, como o vestuário, já que um vegano não usa roupas de lã, seda ou couro.

Por outro lado, se engana e muito quem pensa que os veganos não conseguem estar na moda ou comer uma deliciosa pizza, salgados, strogonoff, coxinhas, chocolates e tudo o que há de mais saboroso na gastronomia convencional.

Sim, na Pousada Soul Vegan, localizada em Águas da Prata, à rua Sebastião Paiva, isso é possível e até os que fazem muita questão de comer carne podem desfrutar de adaptações incríveis e saborosas. “A Soul Vegan nasceu da ideia de alimentar as pessoas com amor, sem maltratar os animais e o meio-ambiente. Depois de três anos viajando pelo mundo e estudando a culinária de cada lugar que andei, voltei ao Brasil com o nome ‘Soul Vegan’ no coração. Conheci meu companheiro Mariano em minha cidade natal e fomos viajar mais um pouco, pois ele tinha acabado de entrar no Brasil”, recorda Elenís, referindo-se ao italiano Mariano Calabrese, que junto com ela comanda as atividades da Pousada.

Durante essa viagem, que durou alguns meses, o casal descobriu afinidades – ou que eram companheiros de vida e de cozinha. “Juntamos os temperos e saberes e começamos a inventar e reinventar pratos tradicionais, em versão vegana. Chegamos a Águas da Prata e sabíamos exatamente o que queríamos. Fizemos panfletagem e começamos a produzir marmitas veganas para a cidade e região. Um ano e meio depois, já estávamos fornecendo marmitas congeladas para São Paulo e organizando ‘jantares secretos’ em casa”, conta Elenís, destacando que ‘jantares secretos’ eram aqueles cujos ingredientes do cardápio só eram revelados depois que os participantes comiam.

SURGIMENTO DA POUSADA

(Foto: Leonardo Beraldo / Cromalux)

A idealizadora da Soul Vegan reconhece que, com a experiência adquirida nesse tempo, vieram outras ideias que não “cabiam” apenas em uma marmita – era necessário expandir. “Já morando neste local, tivemos a ideia de transformar nossa casa em pousada. Mas como sempre fomos cozinheiros por paixão, não queríamos que fosse simplesmente uma pousada e acabamos por inventar o termo ‘pousada gastronômica’”, revela. E acrescenta que o propósito dos idealizadores é levar os hóspedes a vivenciarem uma verdadeira experiência gastronômica vegana, algo que não se restrinja à parte da alimentação. “Mostramos abertamente nossa família como ela é, nosso estilo de vida e de viver bem, em paz com os animais, temos vivências de yoga sempre, quando fechamos pacotes de feriados e atividades que promovem o bem-estar e paz espiritual”, acentua Elenís.

Convém frisar que a Soul Vegan não trabalha com sites de reservas, tudo é feito via WhatsApp ou mensagens diretas, por meio das mídias sociais. Para efetivar a reserva, que é expressamente necessária e dela depende a hospedagem, os responsáveis pela pousada pedem o depósito de 25% do valor total e o restante pode ser pago em até 2x no cartão.
“Temos três tipos de quartos e a hospedagem já inclui café da manhã, almoço, jantar e os sucos das refeições. Além disso, contamos um cardápio super variado de lanches, porções, drinks, entre outros”, destaca a chef da Soulvegan.

Outras atividades promovidas no espaço são eventos culturais, que ocorrem de quatro em quatro meses, sendo o SoulVegan de portas abertas o mais conhecido deles, já na quinta edição e um público que cresce a cada evento.

SURGIMENTO- Elenís Rhormens e Mariano Calabrese viajaram durante alguns meses, durante a viagem descobriram afinidades e tornaram-se companheiros de vida e da cozinha. Uniram temperos e saberes e começaram inventar e reinventar pratos tradicionais, em versão vegana. (Foto: Leonardo Beraldo / Cromalux)

Comidas diferentes, expositores e terapeutas ocupando o jardim, aulas de yoga e palestras. Apresentações musicais ou teatrais são realizadas no decorrer do Soul Vegan de portas abertas, sempre com entrada totalmente gratuita, para que o público do entorno conheça de perto o espaço e passe agradáveis momentos, longe do stress cotidiano.
“Agora a Soul Vegan começa uma nova fase, muito interessante para o pessoal da região. Estamos abrindo oficialmente como restaurante e, se antes era necessário reserva para desfrutar do prato do dia, agora as pessoas não precisam mais reservar. E estamos com um cardápio de pratos muito especial. O horário de funcionamento é das 12h30 às 14h para almoço e das 19h as 21h para jantar”, Elenís comemora a novidade e convida a todos para conhecer a pousada.

SOBRE A FILOSOFIA VEGANA

Em sua bagagem adquirida ao viajar pelo mundo, Elenís e Mariano, responsáveis pela Soul Vegan, conheceram a história dessa filosofia, a qual adotaram como estilo de vida.“O britânico Donald Watson foi quem inventou o termo ‘veganismo’, em 1944. A filosofia não engloba somente uma dieta restrita de qualquer alimento de origem animal, mas uma vida ética e que não machuque ou explore os animais. Não usamos couro, seda ou produtos que fazem testes em animais. Não comemos mel e nem nos tratamos com o natural própolis, pois a indústria maltrata todos esses seres para que possamos usufruir de seus benefícios”, salienta Elenís.

(Foto: Leonardo Beraldo / Cromalux)

A pousada, por sua vez, tem total cuidado, não só com os alimentos que põe à mesa dos clientes, como também o de não usar nenhum produto de limpeza que faça tais testes.
O casal observa que o veganismo é um mercado em ascensão, em que algumas pessoas têm aderido por consciência da exploração animal, outras por bem estar, já que a dieta vegana é muito saudável e benéfica para o ser humano – fato que Elenís e Mariano puderam perceber quando serviam marmitas na região. “Tínhamos muitos clientes não-veganos que gostavam de comer, pois sabiam que estavam se alimentando bem. De uma forma ou outra, os animais e o planeta se beneficiam desta escolha”, finaliza ela.